Há algumas coisas que ainda não sabes…

Mas, antes disso, fica com o teaser do primeiro episódio. Pela @whiteflagproductions.

O primeiro passo que dei no desenvolvimento deste post para o storyrider.net foi um belo de um copy paste ao press release que foi enviado aos media no momento de lançamento do RIDING PORTUGAL nas sociais redes. O segundo, foi um delete a quase tudo.

A notícia tem andado por aí (veja-se a internacional Inertia, o Marketeer ou o Briefing , a ONFIRE ou o Beachcam.)

E, portanto, não faria muito sentido mostrar-te (neste pequeno e insignificante blog sobre surf e outras cenas), cinco dias depois, o que já passou pelas mãos sujas dos sites de renome que constam no parágrafo acima. Se quiseres saber dados institucionais sobre o projecto em si (boring!), clica num dos links supraembebidos. Está lá tudo.

Aqui ficam apenas os sórdidos detalhes, as curiosidades estúpidas e um take muito pessoal ao que este projecto significa para um patife de 22 anos, em baixo:

Nada disto foi pêra doce. Quando comecei este projecto, ele não se assemelhava em nada a um projecto. Um par de curiosidades interessantes sobre o processo de pôr isto a andar:

  1. Algumas das ajudas com que mais contava desapareceram para sempre ou emigraram (literalmente).
  2. Chorei, várias vezes.
  3. Algumas oportunidades de fazer o amor em noites de lua cheia  foram trocadas por reuniões que aconteceriam no dia seguinte.
  4. Muitas dessas reuniões no dia seguinte não aconteceram.
  5. Eu sou sempre o menino mais bonito do mundo aos olhos da minha mãe, mas ela nem sempre acreditou na viabilidade deste projecto algum dia passar da minha cabeça para uma televisão qualquer.

De Março de 2016 a Março de 2017, uma constante se manteve sempre latejante na minha massa cinzenta: a ideia tem valor. E vendia porque vendia.

Mas porquê?

Bem, o mote desta viagem é para mim o verdadeiro significado do surf – uma bonita forma de viver. Os caminhos por onde passamos na procura de ondas são as memórias que teremos nas vésperas do bater das botas. E memórias para sempre precisam-se, até para vender cotonetes.

Se a esta forma aspiracional de viver juntarmos o elemento Portugal, temos um conceito vencedor.

O RIDING PORTUGAL é isso mesmo: Portugal descoberto por um marmelo que segue ondas.

Outra frase que talvez não se leia em mais lado nenhum é que o RIDING PORTUGAL é para mim um sonho tornado realidade.

Talvez seja por isso que a marca que decidiu levar esta ideia para a frente comigo e com a White Flag Productions, A TAP Air Portugal, e toda a equipa envolvida neste projecto tem agora o meu maior carinho. Não podiam ser (e digo isto genuinamente ou estaria calado) melhores parceiros.

E sobre o episódio 1?

  1. Programei a temática do programa e todo o plano que sucedia o seu conceito com semanas de antecedência. Mesmo assim estava tão nervoso que falar para a câmara era uma sensação comparável ao tremer de pernas que se sente quando damos beijinhos na boca pela primeira vez, com 13 anos.
  2. Comer foi a melhor parte de gravar este episódio.
  3. Adoro comer.
  4. Adoro ter um budget para comer.
  5. Comer na Nazaré deve ser o equivalente a comer no monte Olimpo, experimentem o lugarzinho de berbigão que está mesmo por baixo do elevador para o Sítio da Nazaré.
  6. Beber vinho com todos os velhotes que encontrava nas tascas do Oeste foi a segunda melhor parte do episódio I.
  7. Chorei depois de entrevistar o senhor que trabalhava no museu-prisão de Peniche. Visitem, vale muito a pena.
  8. Não houve quase ondas na semana de filmagens. A certa altura pensámos que o episódio 1 seria uma aventura gastronómica e planos de mulheres de sete saias. A nossa sorte é que Peniche tem das praias mais consistentes de Portugal (tenho a certeza que fui o surfista a apanhar as melhores ondas do país durante esses dias num banco escondido que encontrámos.)
  9. Eu e o produtor tivemos várias discussões de casal mas, no final, tudo se solucionou.

Bem, agora que já sabem um bocadinho mais sobre os bastidores desta série, o melhor mesmo é verem o episódio abaixo! Enjoy 🙂

 

 

 

 

4 pensamentos sobre “

  1. Olá João! Já tinha visto o episódio 1 do Riding Portugal, gostei muito. Especialmente a cena final com o americano e ver-te a cantar. Parabéns e boa sorte com o projecto!!

  2. Só te posso dar os parabéns, Kopke! Não só pelo Riding Portugal, mas por todo o site. É um projeto bastante consistente e interessante que revela perfeitamente a tua paixão pelo mundo que te rodeia e todas as histórias que consegues contar e passar para nós (que muitas vezes não temos possibilidades de as viver)

    1. Olá Inês 🙂 Ainda bem que estás a gostar! Tenho andado um pouco fora daqui mas atualizações mais constantes vão passar a ser uma regra. Espero que continues a gostar das aventuras!

GOSTASTE? ODIASTE? EXPRESSA-TE!

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *